22.6.17

algo sobre ter o corpo-tornado-barbatana:

as
bichinha
tudo
exausta
no tornado
do corpo

desinventam
um tal de
ballet diaspórico
marítimo 

[que parece quaisquer
sonoridades d'um 
axé melódico]

re
plexo

cardio-
respiro-
pulmo_

mar?

pode ser assim?

as guelras
se entranhando

em corpo
- nau

bem eu
que sempre
desejei ser
caleidoscópio

nomeei-me

poraquê
d' águas
doces

- sabia que derruba cavalo
com mais de quinhentos volts? -

corpochoque é,
afinal, 

condição
de contato


[ essa dubiedade apresentada naquela linha que avistamos enquanto da partilha da canga, se aqui fosse praia - i num é - quando não sabiamos mais se lá nos fundos do cenário era má o cé. assim também não sei se maremoto ou furacã, se garça ou tubarã, se rima ou romã, só sei que é. ]

Nenhum comentário: