5.4.17

treze


Por Maria Eduarda & 
Hosana de Oliveira


"a violência surgiu do medo, 
como a fumaça surge do fogo" 
(ta-nehise coate)


introito:
menina preta pobre de treze anos
não tem sob o travesseiro
contos de fada.
-

ordinário cotidiano
se impõe no
sutil girar das chaves:

casa/escola/casa.

mas o comum é sempre
um risco deste lado.

benze o corpo pelas calçadas:

pezinhos
mal-amanhecidos

chafurdando no piche
da cidade infinita.

a travessia é necessária
pra quem deseja o mundo
& sua imensidão,

sonhar no equilíbrio
do black,
das medalhas,

trançar fantasias à esperança
da ladainha cochichada
pela mãe no quarto

- guarde minha filha... -

no entanto
quem escuta?
quem resguarda?

cotidiano
imposto na jogatina
d'uma roleta russa,

gira-gira-gira

d'outro lado da reza
de preto

o vazio responde
à balas.

Nenhum comentário: