7.5.16

corpo-bandeira


Para Narany


o corpo fluindo na
[de]composição urbana

[passo-segue-passo]
o contra-vento
saliva gotejando rosto:
beijo de carburador
ou rememoração d'alguém?

[distrai-se; perde a adivinhança]

o corpo ocupa
retinas através dos carros
ciclovias e pedidos de licença
- buzininhas pra lá e pra cá -

cacos da garrafa de ontem
quase ferem a desatenção

o corpo vai
cego em si, mas vê
pelo sensível dos adentros

o corpo-outro 
gravura-táctil
duplicado no concreto

corpo piche
grafitado
corpo imagem

corpo-vai
ricocheteando
pudores /
liberdades

[é tanta desconstrução
para reconstruir /
é tanta edificação
nestas ruínas]

corpo-eu
eu
corpo
meu:

flâmula deserta
na cidade.

/

Amaral Gurgel / Minhocão, SP,  2016

Nenhum comentário: