31.3.16

Odonato: o duplo.

/

passando o dedo trémulo pelos olhos

Odonato retirou das pálpebras uma poeira grossa, irregular, que magoava por não ser redonda, a sensação de incómodo cedia lugar ao conforto de ver melhor e uma branda tristeza aparecia causando desconforto nos olhos e no coração

"as lágrimas é que limpam a tristeza...", pensou

Luanda fervia com a sua gente que vendia, que comprava para vender, que se vendia para ir depois comprar e gente que se vendia sem voltar a conseguir comprar

- serei feliz quando as lágrimas regressarem de verdade. estou cansado de falsas sensações

os seus olhos brilharam, hesitavam entre o tom da maresia e uma frescura que imitava os céus de agosto a fingir que é frio

os olhos de Odonato já não sabiam chorar como antigamente

sonhava muitas vezes que descia a escadaria daquele mesmo prédio, vindo do terraço, ganhando balanço, aumentando a velocidade em cada lance de escadas, sorrindo e gritando para que o vento assobiasse alto e os pássaros afastassem as imaginárias nuvens que sabem inventar lágrimas, descia com pés flutuantes e um sorriso de magia sabida, praticando mesmo uma adivinha fácil, ali, no primeiro andar do seu sonho, onde depois da água lenta o seu corpo escorregava num susto fingido e o grito também, as suas mãos brincavam de agarrar um corredor inexistente e o seu equilíbrio falhava - acordamento bom - os seus joelhos indicavam o caminho da queda e a roupa se ensopava, o joelho esquerdo içava uma bandeira de sangue, final de corrida veloz, e agora sim, a garganta podia orquestrar um choro e os olhos, ai tempo de molhada meninice!, os olhos podiam então chorar

do sonho, acontecia trazer apenas o suor debaixo dos braços, a respiração incerta de quem já havia pressentido que as lágrimas eram um privilégio dos que podiam chorar por dentro e por fora

Odonato passava a mão pelo rosto, agredia as vistas, provava a ponta dos dedos e intensificava a sua tristeza: há muito que os seus olhos não sabiam produzir sal.

/

Ondjaki
Os transparentes, 2013.
p. 67-68.

Nenhum comentário: