12.6.15

Fábula de Vó Ita


Se o caso é amor, eu quero, hoje, falar de fortalecimento & representação. Quero dizer de duas menininhas lindas, sorrindo,  na plataforma do metrô, apontando e dizendo ao pai: olha o cabelo dela!! É fácil questionar qual importância de se ver representado quando sempre se foi, é mais fácil pensar em desconstrução de um modus operandi quando já se teve acesso a esse modelo. Um pouco mais difícil, me parece, é permitir-se a alteridade; perceber que, se ainda estamos dentro dessa caixinha, queremos também ter o alcance, não só monetário, o alcance das subjetividades: queremos também ser a executiva, a médica, a acadêmica das séries, filmes & novelas; queremos também ser a menina linda, a que é amada [não só a que oferece afeto], a companheira [e não servil cuidadora]; queremos também ver as nossas questões e feridas pautadas [como, finalmente, fizeram na cena da Camila Pitanga & Sabrina Nonata].

Quando fotografei o making of do projeto lindo da Joyce & Thalita, quando vi as atrizes sensibilizadas naquele último ensaio, por fazerem parte, por serem protagonistas, por questões enredadas a tudo que as constituem, tive ainda mais concretude na importante da criança crescer reconhecendo-se com sua identidade, e não tentando se encaixar em moldes alheios que sempre serão fantasias mal vestidas. 

Essa é uma das minhas lutas, lugar de amor, onde posso fincar bandeira. Que conflua. 

https://www.catarse.me/pt/fabuladevoita

Nenhum comentário: