31.3.15

Penúria é ser pombo às terças-feiras

João da Esquina joga búzios e lê tarô enquanto me encaminho para o almoço: cinquenta minutos de abstração, de tempo outro. As pulsões me levam aos velhos textos com certo ânimo, mas aqueles pombos não me saem da memória falida dos sonhos. Mastigo, avanço alguns parágrafos, e mais uma vez, eram tantos...invadiam a sala, bicavam o metal vagabundo da janela do quarto, suas doenças, retumbadas do caos construído por nossos defuntos - escravizados, imigrados - respingavam no sofá; num instante de maior atenção, lembro-me de ter visto piolho-a-piolho resvalando por entre penas tortas.

Dou seguimento as garfadas apenas por movimento robótico do corpo, deixo-me perder com mais afinco nas rememorações: aquela cagada na cabeça; a tarde em que papai, num espanhol canastrão, e o vendedor de rua, italiano, exerceram com maestria a não-comunicação, eu, pequenina, olhava-os agarrada ao saquinho de milho e dezenas de pombos farfalhavam ao redor. Fernando, anos mais tarde, repetia-se - para onde vão os pombos de noite? - noutro dia quase lhe mandei mensagem contando de alguns refugiados no velho assoalho.

Na medida em que me atrelo a estes fios mnêmicos, tento dar veracidade a quaisquer associações esdrúxulas, possíveis interpretações de meu pesadelo.  Rogo nesta busca por apaziguamento, embora meu desejo pareça sucumbir a camadas cada vez mais sombrias e ilógicas. Eu tento, meu bem, eu tento, mas é outro cigarro que encontro nos bolsos, o último dessa vez, só mais dessa, que é terça-feira, o dia mais longo, 'cê sabe.

A quentura reverbera do asfalto, os pombos & as calçadas escorregadias, os pombos & a fiação tomada por seus trinta-e-cinco centímetros de existência. Os pombos, afinal, servindo a analogia barata de quem tem paridade no bicho escorraçado, de quem também bica restos orgânicos pelas esquinas, de quem tem o voo preso no retorno contínuo do bate-cartão, de quem é matéria de mandinga e por isso bota os trocados na cesta de búzios, mas não tem culhão para ver no que vai dar.


Nenhum comentário: