4.3.15

Ninguém pensa no lobo esfomeado

A fome do lobo não é a fome dos homens. Sua espreita não é pela carne, não é o imaginário do bacon tostado na língua que lhe atrai. Quando compramos a fábula enquanto mecanismo orgânico/fisiológico, já estamos enclausurados na armadilha [fazendo a casinha, dispondo nosso melhor sobre a toalha]. O lobo & seu sopro, o lobo & sua gula ocupa o espírito, o que vai proporcionar a moral. É ele que tensiona a dignificação do trabalho, é sua presença que nivela os porquinhos.

Nenhum comentário: